lifeworksgestaltlogobase

About Me

A minha foto

I teach and practice Gestalt therapy, Career decision coaching, and Family Constellations work. As well as Australia, I teach workshops and training in China, Japan, Korea, the USA & Mexico. I am author of Understanding The Woman In Your Life, a book of advice for men about relationships with women. In my work as director of Lifeworks I provide therapy,  training and supervision. I am a Phd candidate, studying the interpersonal dynamics of power, and am currently director of an MA in Spiritual Psychology for Ryokan College, an accredited online institution based in LA.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Case #80 - Uma pequena menina ou uma mulher sangrando?

Dianne era uma mulher jovem, pequeno no tamanho, e com muita energia. Muitas vezes ela falou com uma voz 'menina', com uma borda beicinho para ele.
Ela expressou sua frustração de que ela não estava conseguindo o que queria em nosso processo. Ela tinha "ouvido tudo isso antes 'e' não havia nada de novo aqui.
Além do conteúdo, ela parecia que ela estava tendo um chilique. Perguntei-lhe como se sentia velho e ela relatou cinco anos de idade.
Na terapia, pode ser relevante e adequado para trabalhar com alguém em uma idade 'regrediu' - para descobrir o que eles precisam naquele lugar, e responder a ela. Este, porém, é a terapia de longo prazo, e nem sempre é apropriada.
Eu escolhi trabalhar com Dianne no presente. Nessa dimensão, todas as escolhas estão sendo feitas atualmente, e o que é importante é a realidade. Eu tomei esta decisão porque Dianne parecia bastante preso no modo pequeno menina, e de certa forma, para trabalhar com ela naquele lugar seria para alimentar um modo de ser que não era muito viável no relacionamento.
Então eu perguntei-lhe para ouvir a sua voz, e vir para o aqui e agora comigo. Eu chamou sua atenção para o fato de que ela tinha um corpo de 26 anos, ela era uma mulher, e ela era um colega com o grupo de outros adultos. Ela fez beicinho, e chamou sua atenção para as suas escolhas no momento, mais uma vez convidando-a a escolher para entrar na empresa.
Pedi-lhe para sentar-se - ela estava caído sobre, e para furar o peito para fora, em vez de esconder-se. Ela assim o fez, e imediatamente olhou diferente. Pedi-lhe para respirar em seus órgãos femininos - ovários, útero. Para realmente sentir sua feminilidade; a olhar para as outras mulheres do grupo e se conectar a eles como um par.
Ela disse - isso é realmente difícil ... então eu dei-lhe encorajamento e resposta sobre a diferença na minha experiência dela.
Ainda assim, ela se esforçou para ficar adulta. Perguntei-lhe de novo a entrar em seu corpo. Foi então que ela revelou que ela não tinha tido um período de 4 meses. Não havia nenhuma razão médica - ele parou depois de um incidente perturbador - o rompimento com um namorado. Mas isso também tinha ocorrido antes.
Eu indiquei que seu senso de feminilidade parecia ser dependente de fatores externos, ao invés de sólidos internamente. Ela ouviu, reconhecendo isso.
Então, eu confrontei-a com o que ela estava fazendo - ficar uma menina, sem vontade de crescer, ser uma mulher completa, e ser forte e independente do que os outros pensavam dela. Eu lhe disse que iria apoiá-la entrando em sua plenitude, mas não concordam mais com ela pouco desamparo garota. Pedi-lhe para falar com o seu corpo - para dizer-lhe que ela ia viver como mulher, para aceitar a si mesma como uma mulher, incluindo a sua fertilidade e sangrando, e não ia deixar que fatores externos de qualquer tipo, diminuir-se.
Eu desenhei o processo ao fim. Eu queria que ela sente-se com o que tínhamos feito, ao invés de continuar a tentar tirar mais de mim. Seu processo viria a se tornar mais auto-referenciado.
Dei-lhe algum trabalho de casa - para seguir as fases da lua a cada dia em seu aplicativo de telefone, e para continuar conversar com seu corpo, afirmando sua feminilidade.
Este foi um estilo "clássico" da Gestalt. Enquanto eu estou geralmente orientada para a abordagem contemporânea que utiliza uma filosofia e prática relacional, também há um lugar para o estilo mais confrontador, que insiste em plenitude escolha adulta, na responsabilidade, no presente e auto sustentação. Estes podem ser duras se empurrado longe demais, ou usado de forma errada ou na hora errada. Mas às vezes isso é necessário como uma chamada wake-up para alguém, se eles estão prontos, de alguma maneira de trabalhar com essa mensagem.
Na terapia de longo prazo, temos o espaço para explorar o contexto da escolha para ficar uma menina. Há sempre uma "boa" razão para isso, e para fazê-lo, neste sentido, não é uma "resistência", mas o que chamamos um "ajustamento criativo". Assim, acreditamos que é importante para o trabalho * com * a pessoa, incluindo a sua 'estagnação'. As pessoas em sua maioria necessitam de apoio, a compreensão, e 'trabalhar com' eles, e não contra.
No entanto, há um tempo e um lugar para ser respeitosamente confrontando. O desafio é ter consciência dos meus próprios botões no processo - o que está a organizar-me para enfrentar, e o que é de fato enfrentar para mim. Este é todo o material que também pode ser posta em relação. Gestalt não é uma terapia exclusivamente empática, nem é um confrontadora. O objetivo é encontrar maneiras de alcançar encontro autêntico - que é o que é transformadora.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Case #79 - Ein kleines Mädchen oder eine blutungen Frau ?

Dianne war eine junge Frau, klein, und mit viel Energie. Sie sprach oft in einem "kleinen Mädchen" Stimme, mit einem Schmoll Rand zu.
Sie drückte ihre Frustration darüber, dass sie nicht das bekommen, was sie in unserem Prozess wollten. Sie hatte "Gehört Alle Vor" und "gab es hier nichts Neues."
Neben dem Inhalt, sie klang, als würde sie einen Wutanfall zu werfen. Ich fragte sie, wie alt sie fühlte, und sie fünf Jahre alt berichtet.
Um herauszufinden, was sie an diesem Ort brauchen, und darauf zu reagieren - In der Therapie kann es sachdienlich und angemessen, um mit jemandem zu einem "Rückschritte" Alter zu arbeiten. Dies ist jedoch eine Langzeittherapie, und ist nicht immer Appropiate.
Ich beschloß, mit Dianne in der vorliegenden Arbeit. In dieser Dimension sind alle Möglichkeiten derzeit hergestellt, und was wichtig ist, ist die Masse der Realität. Ich habe diese Entscheidung getroffen, weil Dianne schien ganz stecken in dem kleinen Mädchen-Modus, und in gewisser Weise, um mit ihr an diesem Ort zu arbeiten wäre, in einer Weise des Seins, die nicht sehr lebensfähig Beziehung war zu ernähren.
Also fragte ich sie, ihre Stimme zu hören und in die hier und jetzt mit mir kommen. Ich zog sie die Aufmerksamkeit auf die Tatsache, sie hatte einen 26 Jahre alten Körper, sie war eine Frau, und sie war ein Peer mit der Gruppe von anderen Erwachsenen. Sie schmollte, und ich zog sie die Aufmerksamkeit auf ihre Entscheidungen in dem Moment, wieder lädt sie zu wählen, um in die jetzt gekommen.
Ich bat sie, sich aufzurichten - sie wurde über eingebrochen, und an ihre Brust durchhalten, anstatt sich versteckt. Sie tat es, und sofort sah anders aus. Ich bat sie, ihr in die weiblichen Organe atmen - Eierstöcke, Gebärmutter. Um wirklich das Gefühl, ihre Weiblichkeit; bei den anderen Frauen in der Gruppe zu suchen und eine Verbindung zu ihnen als Peer.
Sie sagte - das ist wirklich hart ... so gab ich ihr Ermutigung und Feedback über den Unterschied in meiner Erfahrung von ihr.
Dennoch kämpfte sie zu Erwachsenen bleiben. Ich fragte sie, wieder in ihren Körper kommen. Es war dann, sie verraten, dass sie nicht einen Zeitraum von 4 Monaten hatte. Es gab keinen medizinischen Grund - es steht nach einem Vorfall Stauchen - die Pause mit einem Freund. Aber das war auch vor aufgetreten.
Ich wies darauf hin, dass ihr Gefühl der Weiblichkeit schien von externen Faktoren abhängig, anstatt intern fest zu sein. Sie hörte, dies anzuerkennen.
So konfrontierte ich sie mit, was sie tat - bleiben ein kleines Mädchen, nicht bereit, erwachsen zu werden, eine vollständige Frau zu sein, und stark und unabhängig davon, was andere von ihr dachten. Ich sagte ihr, ich würde sie unterstützen, kommen in ihrer Fülle, aber nicht mehr damit einverstanden, ihr kleines Mädchen Hilflosigkeit. Ich bat sie, mit ihrem Körper zu sprechen - um es zu sagen, dass sie dabei war, als Frau zu leben, sich als Frau, auch ihre Fruchtbarkeit und Blutungen zu akzeptieren, und wurde nicht gehen zu lassen, externe Faktoren jeglicher Art sich zu verringern.
Ich zog den Prozess zu Ende. Ich wollte, dass sie mit dem, was wir getan hatten zu sitzen, anstatt weiterhin zu versuchen, mehr von mir zu zeichnen. Ihr Prozess war es, mehr Selbst verwiesen zu werden.
Ich gab ihr einige Hausaufgaben - die Phasen des Mondes jeden Tag auf ihr Handy zu verfolgen und reden mit ihrem Körper weiter und bestätigte ihre Weiblichkeit.
Das war eine "klassische" Stil der Gestalt. Während ich in der Regel in Richtung des zeitgenössischen Ansatz, der eine relationale Philosophie und Praxis verwendet orientiert, gibt es auch einen Platz für die mehr konfrontativen Stil, der auf die Erwachsenen Wahl Fülle, Verantwortlichkeit in der Gegenwart und Selbst Unterstützung besteht. Das kann hart sein, wenn zu weit getrieben oder in die falsche Richtung oder zum falschen Zeitpunkt eingesetzt. Aber manchmal ist dies notwendig, da ein Weckruf, um jemanden, wenn sie bereit sind, in irgendeiner Weise mit dieser Meldung zu arbeiten.
In der Langzeittherapie haben wir die Geräumigkeit, den Rahmen der Wahl zu erkunden, um ein kleines Mädchen zu bleiben. Es gibt immer einen "guten" Grund dafür, und dies in diesem Sinne tun, ist kein "Widerstand", aber was wir nennen eine "kreative Anpassung". So glauben wir, dass es wichtig ist zu * mit * der Person, einschließlich ihrer "Feststecken" zu arbeiten. Menschen meist benötigen Unterstützung, Verständnis und "die Zusammenarbeit mit 'ihnen, nicht gegen.
Allerdings gibt es eine Zeit und einen Ort für sein respektvoll gegenüber. Die Herausforderung ist, bewusst meine eigene Buttons werden in den Prozess - Was ist die Organisation von mir zu konfrontieren, und was ist in der Tat gegen für mich. Dies ist alles Material, das auch in Beziehung gebracht werden kann. Gestalt ist kein ausschließlich empathische Therapie, noch ist es ein konfrontativen ein. Der Punkt ist, um Wege zu finden, authentisch Sitzung zu erreichen - das ist umformend.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Case #76 - O cliente à deriva

Anne era uma mulher jovem, que mostrava muita paixão quando falava. Os seus pais tinham-se divorciado quando ela tinha 10 anos. Descreveu-me a mãe como sendo extrovertida e dramática, enqanto o seu pai aparentava ser mais tranquilo. Mas internamente, falava do seu pai como sendo ´retorcido´, uma vez que o seu estilo de comunicação parecia dar apoio; no fundo tratava-se frequentemente das suas necessidades e do seu auto-interesse, mas expressadas de forma indirecta.
Descreveu várias situações em que tinha perdido o respeito pelo seu pai devido a este estilo de comunicação, e à sua consequente decepção. Sentia-se de algum modo superior a ele, na medida em que ela expunha o seu estilo indirecto e manipulativo, e ele não podia negar os seus motivos ocultos.
Isto alertou-me para a dinâmica entre nós. Salientei que eu era um homem, provavelmente de uma idade próxima à do seu pai, e estava portanto interessado em como ela experenciava estar comigo. A experiência dela era positiva; chamei-lhe então a atenção para algumas das maneiras em que eu tinha uma comunicação indirecta. Depois de o fazer, ela disse que agora já não me tinha num pedestal, mas mais ao seu nível.
Tal foi um bom começo. Mas foi importante abordar directamente a própria dinâmica interpessoal. Contei-lhe então algumas das minhas respostas à forma como a tinha visto comunicar, não do ponto de vista da minha crítica face a ela, mas sim da minha auto-crítica  em resposta o seu estilo de comunicar. Ela tinha feito muitas perguntas, eu apreciava a sua energia e interrogação e ao mesmo tempo, dava por mim um pouco frustrado pelo modo como ela ´estava em todo lado´.
Assim, ao dar-lhe a minha perspectiva sobre mim próprio, dei-lhe um modo de olhar para dentro de mim, para o meu estilo indirecto - normalmente não expresso, e provavelmente invisível para ela. Tal requereu uma vontade da minha parte de expôr o meu próprio ego. Disse-lhe ´com isto, estou a passar-te uma arma para as mãos´. Perguntei-lhe então como se sentia agora em relação a  mim. Havia uma combinação de se sentir aliviada com a minha honestidade, bem como algum sentimento de superioridade.
Isto foi importante, pois aprofundou o contacto entre nós. Este tipo de autenticidade permite-nos chegar ao coração das dinâmicas relacionais, no aqui e agora.
À medida que conversávamos, notei que ela derivava do assunto, e no seu estilo altamente energético, passava a outros tópicos. Comentei-lhe que do meu lado me estava a sentir perdido, e ela salientou o modo como recebia esse feedback de várias pessoas.
Já tinhamos alcançado muito na sessão - não tinhamos resolvido nada, mas trouxéramos alguns aspectos profundos da experiência para a relação. Podia reparar que se seguisse a sua direcção, poderíamos facilmente derivar para outros tópicos... Experienciei isto como um movimento desenraizado, pois não se mantinha com uma figura clara.
Assim, fui fechando a sessão. É importante não deixar que muitos assuntos surjam numa sessão, de facto, é melhor escolher apenas um, mover-se através da Gestalt emergente, e depois fechá-lo, para permitir que a pessoa o possa digerir. É comum as pessoas quererem ´mais´ antes de terem realmente interiorizado o que foi abordado, e portanto é importante para mim como terapeuta ser contentor, estabelecer o limite, e deixá-las ficar com o que foi conseguido até então, em vez de seguir para o próximo tópico de interesse.
Tínhamos conseguido já material para muitas mais sessões, e isto constrói uma base para a continuação. Grande parte da terapia tem a ver com construir esta base, e é esta mesma base que de diversas formas fornece muito do valor derradeiro, para além dos assuntos e intervenções específicas.
Confrontado com a sua dificuldade em permanecer com uma figura clara, eu desloquei-me para o diálogo, em vez de continuar a tentar facilitá-la. Isso apenas levaria a uma ´contenda´ - eu a tentar focar-me nela, e ela a usar o seu estilo daquilo a que chamamos ´deflexão´em Gestalt. É uma forma de estabelecer contacto que dilui a intensidade do contacto. De modo a podermos trabalhar através de figuras de interesse em Gestalt, a tomada de consciência necessita estar presente e focada. As pessoas têm diversas formas de interromper esse fluxo de consciência  - descrito como ciclo do contacto, ou ciclo de awareness (tomada de consciência) no original - não atigindo portanto a conclusão. Isto leva a assuntos pendentes e a uma falta de contacto satisfatório.
Mas oferecer ou apoiar um bom estilo de contacto não é suficiente. As pessoas fazem as suas interrupções habituais, e fazem-no geralmente sem tomarem consciência disso. Neste caso, trouxe alguma atenção para este processo de interrupção - algumas vezes isso é suficiente, outras é necessário fazer um trabalho lento e muito cauteloso, de outra forma as pessoas podem´resistir´ o que significa que se sentem inseguras.
É aí que a vertente  a longo prazo é necessária, para criar uma base de segurança.

sábado, 18 de julho de 2015

Case #75 - Deixando cair os "deverias"

Brigitte apresentou um conflicto que tinha com o seu marido com quem estava casada há 18 anos. Ela queria que os pais dela viessem morar com eles, e ele não queria.
Convidei-a então para o diálogo clássico em Gestalt, usando duas almofadas, uma para ela, outra para o seu marido.
Ao longo da ´conversa´ ela fez duas afirmações. A primeira era sentir-se culpada por se encontrarem ambos numa situação familiar feliz, mas não terem os pais presentes. A segunda era que eles deveriam tomar em consideração as necessidades dos pais dela.
Peguei na culpa - uma vez que geralmente está a disfarçar um ´deveria`. Certamente, este ´deveria` era ´Eu não deveria ser mais feliz que os meus pais´.
Pedi-lhe então para pôr este ´deveria` na almofada, e seguiu-se uma conversa. O ´deveria`pregando-lhe um sermão acerca de ser boa para os seus pais. A sua resposta foi de zanga - não me digas como viver a minha vida.
Pedi-lhe que se movesse de um lado para o outro na conversa. A dada altura, como que colapsou - disse ´ok` ao ´deveria`. Mas isto não era uma verdadeira capitulação, pelo que identificámos o sucedido e eu encorajei-a a prosseguir.
Foi então que ela teve um flash - quando tinha 5 anos e a sua mãe lhe estava a dar de comer, esta disse-lhe, ´um dia quando fores mais velha tomarás tu conta de mim´.
Pedi-lhe pois que falasse com esta afirmação da sua mãe, mas da sua posição de agora, como uma mulher de 43 anos. Disse - Eu sou a tua filha, não a tua mãe. Não é que eu deva tomar conta de ti, isso não é bem assim.
Ela foi bem clara neste ponto. Algo se tranquilizou nela, aquilo a que chamamos ´integração´- quando um insight, juntamente com uma experiência vivida no corpo e uma mudança na energia se tornam unos.
Isto clarificou o ´deveria´ de um modo que levou àquilo a que chamamos ´digestão`, isto é, ficar com o que é nutritivo e deixar o resto.
Os ´deverias` são crenças não digeridas que trazemos connosco, vindas dos pais ou da sociedade. Podem conter valor ou verdade em si, mas precisam de ser processados para descobrir o que serve a cada um de nós. De outro modo, continuarão a governar - consciente ou insconscientemente, de um modo tirânico. Deixamos de ouvir estas mensagens como vindas do exterior - interiorizámo-las, introjectámo-las.
Assim, em Gestalt, reanalizamo-las, para as actualizar.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Case #74 - Deixando-se nutrir

Disse a Annabelle que apreciava a forma como ela encarava a vida e as relações. Isto constituia um sítio de mutualidade, um sitío onde partilhávamos valores. Falei-lhe então de mim, incluindos os pontos em que encontrava discrepâncias entre os meus valores de autenticidade, prestabilidade, e as minhas próprias necessidades e limitações.
Annabelle falou-me de como ela podia dar aos outros estando no seu papel, mas era mais difícil para ela receber. Partilhou então comigo que obtinha pouco prazer da comida, e que se tinha que forçar a si própria a comer.
Embora isto representasse um espectro de temas muito abrangente, relacionados com o campo (a comida está estreitamente relacionada com a família e com o tipo de relações à medida que vamos crescendo), quis manter o foco na relação terapêutica.
Sugeri então uma experiência em que eu faria algo que a nutrisse, e ela praticaria aceitar receber.
Demos as mãos. Lentamente acariciei-lhe as mãos com os meus dedos. Ela começou a acariciar de volta, mas eu detive-a - esta era a sua tendência de dar em vez de receber. A direcção que lhe apontei foi a de ver se ela podia receber algum sustento e prazer.
À medida que o fazia, ela indicou-me não ser capaz de receber muito - os seus braços estavam rígidos. Também mordiscava os lábios, e estava consciente de fazer várias coisas que bloqueavam receber algum sustento de mim.
Então, segurando as suas mãos, levantei lentamente os seus braços e movimentei-os. Pedi-lhe que abdicasse do controlo, que relaxasse e me deixasse fazer aquilo. Era muito difícil para ela, mantinha-se rígida e tratava de seguir os meus movimentos, em vez de me deixar conduzi-la.
Fizémos este exercício durante algum tempo. Foi capaz de afrouxar um pouco, e à medida que o fazia, foi capaz de se deixar nutrir um pouco. Mas era difícil para ela.
Dei-lhe como trabalho de casa encontrar uma outra pessoa com quem praticar.
Em termos de trabalho futuro, haveria também várias formas de o continuar - explorando a sua resistência a abdicar do controlor, bem como a sua reluctância em deixar-se nutrir. Viríamos a abordar qualquer assunto de família que estivesse relacionado com este tema, incluindo o sítio onde se guardava a comida em sua casa.
Em Gestalt, cada vez que encontramos uma ´resistência` não tratamos de a romper - em vez disso respeitamo-la. Procuramos o contexto - a situação original que ameaçou o ´ajuste criativo`.
Tratamos de apreciar o ajuste criativo, entendê-lo, e tratá-lo de forma positiva. Deste modo, pude descobrir quão importante era para ela manter-se em controlo, o que estava em jogo ao abdicar desse controlo e poder confiar. É como se de repente se tornasse evidente que confiar, relaxar, não era uma boa ideia no seu contexto familiar/original. Sendo assim, qualquer nova experiência comigo teria de ser encarada com calma, apreciando o quão arriscada poderia ser. É melhor trabalhar muito devagar, de um modo que possa ser integrado - as experiências teriam então que levar isto em linha de conta.
Também viríamos a experimentar comer algo durante a sessão - por exemplo pedaços de maçã. E realizar uma experência de tomada de consciência relacionado com comida, notando os detalhes do processo. Em vez de comportamentos do tipo ´falar acerca de´, procuramos sempre explorá-los na própria sessão, com tomada de consciência e apoio.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Case #74 - Deixando-se nutrir

Disse a Annabelle que apreciava a forma como ela encarava a vida e as relações. Isto constituia um sítio de mutualidade, um sitío onde partilhávamos valores. Falei-lhe então de mim, incluindos os pontos em que encontrava discrepâncias entre os meus valores de autenticidade, prestabilidade, e as minhas próprias necessidades e limitações.
Annabelle falou-me de como ela podia dar aos outros estando no seu papel, mas era mais difícil para ela receber. Partilhou então comigo que obtinha pouco prazer da comida, e que se tinha que forçar a si própria a comer.
Embora isto representasse um espectro de temas muito abrangente, relacionados com o campo (a comida está estreitamente relacionada com a família e com o tipo de relações à medida que vamos crescendo), quis manter o foco na relação terapêutica.
Sugeri então uma experiência em que eu faria algo que a nutrisse, e ela praticaria aceitar receber.
Demos as mãos. Lentamente acariciei-lhe as mãos com os meus dedos. Ela começou a acariciar de volta, mas eu detive-a - esta era a sua tendência de dar em vez de receber. A direcção que lhe apontei foi a de ver se ela podia receber algum sustento e prazer.
À medida que o fazia, ela indicou-me não ser capaz de receber muito - os seus braços estavam rígidos. Também mordiscava os lábios, e estava consciente de fazer várias coisas que bloqueavam receber algum sustento de mim.
Então, segurando as suas mãos, levantei lentamente os seus braços e movimentei-os. Pedi-lhe que abdicasse do controlo, que relaxasse e me deixasse fazer aquilo. Era muito difícil para ela, mantinha-se rígida e tratava de seguir os meus movimentos, em vez de me deixar conduzi-la.
Fizémos este exercício durante algum tempo. Foi capaz de afrouxar um pouco, e à medida que o fazia, foi capaz de se deixar nutrir um pouco. Mas era difícil para ela.
Dei-lhe como trabalho de casa encontrar uma outra pessoa com quem praticar.
Em termos de trabalho futuro, haveria também várias formas de o continuar - explorando a sua resistência a abdicar do controlor, bem como a sua reluctância em deixar-se nutrir. Viríamos a abordar qualquer assunto de família que estivesse relacionado com este tema, incluindo o sítio onde se guardava a comida em sua casa.
Em Gestalt, cada vez que encontramos uma ´resistência` não tratamos de a romper - em vez disso respeitamo-la. Procuramos o contexto - a situação original que ameaçou o ´ajuste criativo`.
Tratamos de apreciar o ajuste criativo, entendê-lo, e tratá-lo de forma positiva. Deste modo, pude descobrir quão importante era para ela manter-se em controlo, o que estava em jogo ao abdicar desse controlo e poder confiar. É como se de repente se tornasse evidente que confiar, relaxar, não era uma boa ideia no seu contexto familiar/original. Sendo assim, qualquer nova experiência comigo teria de ser encarada com calma, apreciando o quão arriscada poderia ser. É melhor trabalhar muito devagar, de um modo que possa ser integrado - as experiências teriam então que levar isto em linha de conta.
Também viríamos a experimentar comer algo durante a sessão - por exemplo pedaços de maçã. E realizar uma experência de tomada de consciência relacionado com comida, notando os detalhes do processo. Em vez de comportamentos do tipo ´falar acerca de´, procuramos sempre explorá-los na própria sessão, com tomada de consciência e apoio.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Case #73 - Os meus sentimentos ou os teus sentimentos?

Martha descreveu a sua dificuldade em contactar com os seus sentimentos. Era counsellor, mas era sobretudo uma pessoa muito mental.
Foquei-me primeiro no aqui e agora entre nós. Como era para ela sentar-se comigo, o que sentia durante o nosso contacto. A cada questão que colocava a Martha, também partilhava os meus próprios sentimentos.
De seguida pedi-lhe que olhasse a sala em redor, para cada pessoa, que notasse a reacção do seu sentir e como diferia.
Por fim, convidei-a a olhar para mim, e permiti-lhe que visse parte do meu mundo interno - passei a ´modo cliente` durante cerca de um minuto, saindo do meu modo ´dador, encarregado, profissional´. Não demorou muito a notar - disse-me ´oh, estás triste´. Salientei que o que era importante era o que ela estava a sentir - a sua tristeza como resposta. Ela podia então confirmar comigo e perguntar-me pela minha experiência. Ela tinha razão neste caso, mas é importante não presumir. As pessoas têm a noção equivocada que podem ´sentir os sentimentos de outra pessoa´. Em Gestalt discordamos - sentimos sempre os nosos próprios sentimentos - mas a fronteira é importante. Apenas podemos imaginar os sentimentos de outrem, e indagar pela confirmação. Assumir que ´sabemos´ é desrespeitoso e não ajuda.
Em termos mais clássicos usamos a palavra ´projecção´para descrever o que acontece. Não podemos de todo sentir os sentimentos de outra pessoa - eles ocorrem no corpo de outrem, e nós não estamos nesse corpo. Os nossos próprios sentimentos podem estar em ressonância, mas pertencem-nos. Neste sentido, a projecção descreve a nossa habilidade em IMAGINAR os sentimentos de outra pessoa, usando os nossos próprios como guia. Isto ajuda-nos a orientarmo-nos no mundo, relacionarmo-nos, e descobrir (potencialmente) que estamos em sintonia com os outros. Mas é somente quando conferimos estas coisas que podemos confirmar se as nossas projecções eram certeiras ou não.
Daí a precisão da linguagem ser considerada importante em Gestalt, uma vez que nos permite ter estas conversas, averiguar, dialogar, testar as nossas percepções. Isto equipa-nos com uma linguagem de comunicação acerca das emoções que é clara e rica no contacto, ao invés de ser confusa e pretenciosa.

© Lifeworks 2012

Contact: admin@learngestalt.com

Cui i se adresează acest blog?

Aceste cazuri exemplificate sunt pentru terapeuți, studenți și pentru cei care lucrează cu profesioniști. Scopul este să arătăm cum funcționează terapia gestaltistă în practică, să legăm aspecte teoretice cu provocările clinice.

Pentru că se adresează în primul rând profesioniștilor, acest blog e valabil prin subscriere. Te rugăm să introduci adresa ta de email ca să primești gratuit actualizările zilnice ale blogului de fiecare dată când o intrare e adăugată.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

© Lifeworks 2012

Contact: admin@learngestalt.com

Ideomas:

HOME

Informed Consent & Rates

PROFESSIONAL TRAINING

Gestalt Therapy Defined

PROFESSIONAL SERVICES

PAYMENTS

OTHER STUFF

Links

Book:Advice for Men about Women

BLOGS

• English

Bahasa

Čeština

Deutsch

Español

Français

Greek ελληνικά

Hindi हिंदी

Magyar

Melayu

Italiano

Korean한국의

Polski

Português

Română

Russian Русский

Serbian српски

Chinese 中文

Japanese 日本語

Arabic العربية

English Bahasa Čeština Deutsch Español Filipino Français ελληνικά हिंदी Magyar Melayu Italiano 한국의 Polski Português Română Русский српски 中文 日本語 العربية

If you are interested in following my travels/adventures in the course of my teaching work around the world, feel free to follow my Facebook Page!

Gestalt therapy sessions

For personal therapy with me: www.qualityonlinetherapy.com

vinaysmile

Am publica acest blog două ori pe săptămână

logosm1

Links

Career Decision Coaching

Here

and here

Lifeworks

Gestalt training and much more

http://www.depth.net.au

For Men

Here is a dedicated site for my book Understanding the Woman in Your Life

http://www.manlovesawoman.com

The Unvirtues

A site dedicated to this novel approach to the dynamics of self interest in relationship

http://www.unvirtues.com

Learn Gestalt

A site with Gestalt training professional development videos, available for CE points

http://www.learngestalt.com

We help people live more authentically

Want more? See the Archives column here

Gestalt therapy demonstration sessions

Touching pain and anger: https://youtu.be/3r-lsBhfzqY (40m)

Permission to feel: https://youtu.be/2rSNpLBAqj0 (54m)

Marriage after 50: https://youtu.be/JRb1mhmtIVQ (1h 17m)

Serafina - Angel wings: https://youtu.be/iY_FeviFRGQ (45m)

Barb Wire Tattoo: https://youtu.be/WlA9Xfgv6NM (37m)

A natural empath; vibrating with joy: https://youtu.be/tZCHRUrjJ7Y (39m)

Dealing with a metal spider: https://youtu.be/3Z9905IhYBA (51m)

Interactive group: https://youtu.be/G0DVb81X2tY (1h 57m)