lifeworksgestaltlogobase

About Me

A minha foto

I teach and practice Gestalt therapy, Career decision coaching, and Family Constellations work. As well as Australia, I teach workshops and training in China, Japan, Korea, the USA & Mexico. I am author of Understanding The Woman In Your Life, a book of advice for men about relationships with women. In my work as director of Lifeworks I provide therapy,  training and supervision. I am a Phd candidate, studying the interpersonal dynamics of power, and am currently director of an MA in Spiritual Psychology for Ryokan College, an accredited online institution based in LA.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Case #53 - Beber demasiado, ou dar demasiado?

Tom bebia, demasiado, demasaidas vezes. Tinha-o feito por muitos anos. Às vezes deixava a bebida, às vezes recomeçava.
Abby não era feliz, e tinha-se tornado cada vez mais peremptória a respeito das coisas terem que mudar. O problema era que não mudavam - ele deixava de beber, voltavam a dar-se bem por uns tempos, e então de algum modo, tudo voltaria a recomeçar.
Abby queria uma boa relação. Queria conexão, comunicação, honestidade. Tinham estado juntos por muito tempo, e ela não queria deitar a relação a perder. Ralhar permanentemente não resultava, mas também não funcionava deixar as coisas seguirem o padrão habitual. Abby estava muito frustrada. Tom não parecia capaz de manter as mudanças que ela realmente necessitava. Ela tinha-se tornado cada vez mais frustrada e desanimada.
Não havia dúvidas, Tom tinha um problema com o álcool. Era claro que ele não tinha realmente controlo sobre a bebida, e era também claro que os seus esforços para parar só resultavam por um período de tempo limitado - por vezes 6 meses, mas depois ele retomava.
Abby parecia estar a fazer udo o que podia. Tornou a sua posição clara. Demarcou limites. Acudiu a terapia em busca de ajuda.
Do ponto de vista da Teoria de Campo, a adicção não é algo ´na´ pessoa, mas algo ´na´família ou relação. É mantida por mais de uma pessoa, apesar de neste caso parecer que Abby estava a fazer tudo o que podia para mudar a situação. A sua participação não era clara para ela - ela parecia não querer nada mais que uma relação livre da adicção.
Abby tinha um pai que era controlador, desanimador  e com frequência maldoso. As suas necessidades de sustento, de ser escutada não foram supridas. De tal modo que ela aprendeu a ser uma rapariga prestativa, numa tentativa de obter algum tipo de reconhecimento.
Isto é aquilo a que chamamos em Gestalt um ´ajuste criativo´. Fez sentido nesse então, mas agora, como adulta, Abby estava descobrir que se sentia cada vez mais bloqueada - o ajuste criativo já não estava a funcionar em seu proveito.
Ela identificou que era isto que a tinha levado a ser enfermeira - tomar conta dos outros e das suas necessidades. E era isto que estava a fazer com Tom.
À medida que fomos explorando este tema, Abby deu-se conta que a sua prestatividade continha em si uma espécie de reciprocidade. Se ela desse aos outros, homens, então ela seria útil, desejada, reconhecida, necessária.
E era exactamente esta a situação com Tom. Ele precisava dela, e ficava muito triste se ela se zangasse e se retirasse. Ela não conseguia vê-lo tão triste, e então voltava a aproximar-se.
O ponto chave foi quando identificámos como a sua prestatividade era também uma espécie de manipulação: ´se eu te aportar algo, então vais precisar de mim, e não me abandonarás´.
O que foi importante foi a mudança de perspectiva - agora Abby era capaz de ver mais claramente não apenas o comprtamento adictivo de Tom, mas também a sua própria manipulação repetitiva - dar para receber, ou como chamamos em Gestalt, ´proflexão´.
Este é um exemplo daquilo a que damos o termo ´fronteira distorcida´ - parece que algo está a ser dado, mas na realidade existe um motivo subjacente, pelo que o aspecto da dádiva é condicional, não incondicional.
Este reconhecimento foi dramático para ela - ela pôde reconhecer não apenas o padrão familiar de Tom com a bebida, mas um outro padrão de mãos dadas com esse - o da sua forma manipuladora de dar.
Em Gestalt trabalhamos com tomada de consciência, mas tal não é apenas limitado ao ´aqui e agora´, também inclui a tomada de consciência do nosso Campo, com todas as suas camadas complexas, e especialmente os nossos padrões de comportamento escondidos.
Trazê-los à luz cria a possibilidade de se apropriar desse comportamento - quaisquer que sejam os seus antecedentes - e assim ´assumir a responsabilidade´ numa terminologia Gestalt. Tal é libertador. Vermos a nossa própria manipulação dá-nos opções, enquanto que ver somente o comportamento bloqueado/adictivo da outra pessoa nos deixa apenas com a reacção.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Case #52 - As raparigas festivas

Martin tinha tido várias relações importantes na sua vida. Com 50 anos de idade, encontrava-se agora numa relação com boa ligação emocional, mas sem filhos.
Sempre se tinha sentido atraído por ´raparigas festivas´. No fim de contas, apesar de investir muito nas relações, descobriu que não as tinha conseguido fazer perdurar, até a que tinha actualmente.
Agora era feliz... apesar de a sua nova companheira de facto gostar de beber e passar bons momentos de diversão. E embora ele gostasse disso, às vezes achava que era demasiado, e frequentemente queria ir-se embora de um encontro mais cedo que ela.
Assim, de vez em quando dava por si a beber um pouco mais do que queria.
Quanto toca a coisas como álcool e padrões de relação, é bom olhar para o panorama geral. Aquilo  a que chamamos o Campo, em Gestalt. Em constelações familiares lida-se com istoo tempo todo, mas há diversas formas de lidar com esta dimensão. Na terapia individual, há algumas zonas em que existe uma forte indicação ara prestar atenção a um contexto mais alargado.
Perguntei-lhe então pelos seus pais e avós. Os seus pais davam-se muito bem.
Ao que parece a sua avó paterna tinha sido uma mulher bastante aventureira para a sua época. Tinha viajado e casado tarde. Era uma pessoa popular socialmente, mas nem sempre presente como mãe. Assim, a sua experiência de parentalidade vinha mais da parte do pai, que era o elemento estável.
Martin nunca tinha unido estes pontos, mas tornou-se claro para ele esta sua atracção por mulheres com com muita vitalidade mas instáveis.
A tarefa que se punha era então mover-se para o presente. Preparei uma cadeira a representar a ´rapariga festiva´, e pedi-lhe que contactasse com os seus sentimentos. Eram mistos - atracção, mas também dor, por causa do seu historial de relações. Perguntei-lhe sobre o que se activava nele quando se via sentado diante deste tipo de mulher.
Deu-se conta de diversas coisas - a sua excitação, a sua raiva e um sensação de vazio. Pedi-lhe que identificasse em que zona do corpo sentia tudo isto. Ele notou uma sensação de congestão no peito.
Contou-me que era exactamente o que sentia quando a sua companheira começava a beber demasiado - uma espécie de pânico ou medo. Geralmente, nessas alturas ou a censurava, ou não dizia nada, e ficava ressentido.
Pedi-lhe então que se deixasse estar com esse sentimento, e que que lhe dissesse algo a ela, sentada na cadeira.
Foi-lhe muito difícil fazê-lo - sentia-se muito desconfortável, e disse-mo.
Pedi-lhe então que trocasse, se sentasse na cadeira e falasse como se fosse a sua companheira. Nessa posição, sentia-se rebelde, não queria que lhe dissessem o que fazer e disse ´se gostasses de mim, davas-me liberdade, em vez de tentares controlar-me´.
Isto era de alguma forma algo familiar para Martin - tinha-a ouvido dizer coisas parecidas.
Pedi-lhe que se sentasse ao pé de mim noamente, e indaguei a respeito da parte dele que era rebelde. Em Gestalt estamos interessados em polaridades, especialmente aquelas das quais não nos apropriamos e associamos frequentemente com o nosso parceiro.
Não estava habituado a pensar dessa maneira - era sempre a sua companheira quem era a rebelde.
Identificou como no seu emprego aturava o comportamento super controlador do seu chefe e nunca dizia nada.
Sugeri-lhe pois que sentasse o seu chefe na cadeira e lhe dissesse algo rebelde. Ao fazê-lo, sentiu muita liberdade, e saiu-lhe um peso de cima.
Repetimos este processo para diversos cenários da sua vida, e a cada vez, descobriu um enorme alivio em poder dizer algo rebelde - ele era o típico ´bom rapaz´.
Senti-se muito mais forte e empoderado.
Isto foi apenas um passo, numa série de sessões terapêuticas, mas realça a forma na qual o nosso self projectado - numa outra pessoa - estanca a energia que poderia na realidade ser-nos útil para encontrar maior equilíbrio e vitalidade - que são resumidamente os objectivos em Gestalt.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Case #51 - Confrontando um fantasma

Leanne contou-me acerca de andar muito assustada. Tinha medo de baratas, sobressaltava-se facilmente e às vezes à noite custava-lhe dormir, com medo que lhe entrassem ladrões pela janela, ou fantasmas ou ´monstros´. Também tinha medo de monstros quando andava de barco.
Pondo o resto de parte, isto soava como um estado muito infantil, pelo que lhe perguntei sobre o que lhe tinha acontecido em criança para a tornar temerosa.
Relatou-me de imediato um incidente que se passara quando tinha 6 anos. Um rapaz, um dos seus melhores amigos, morrera afogado. Passaram-se horas até ser descoberto. Trouxeram-no para casa dela, e a família do rapaz insistiu que o pai dela, médico, o tentasse reanimar. Não foi bem sucedido.
Nessa noite ocorreu uma tempestade, e ela foi deitar-se muito assustada. Teve então um pesadelo, em que tentava salvá-lo e não conseguia. Pensava muito nele à medida que foi crescendo, e ainda se sentia bastante triste com este tema.
Ora, isto tornou claro quem era o ´fantasma´ de quem ela tinha medo.
Sugeri-lhe uma experiência confrontadora mas necessária - usando o drama do momento, a intensidade do medo e a oportunidade presente para lidar com ele directamente, de uma vez por todas.
Propus-lhe então que eu ficasse de pé ao lado dela, encarando a janela aberta, com o grupo por detrás a dar apoio. Ela convidaria então o fantasma do seu jovem amigo que tinha morrido a entrar na sala, diante dela.
Ela fê-lo, mas a tremer como varas verde. Deixei que se encostasse a mim, segurei-a com firmeza, o grupo bem perto atrás de nós. Instruí-a a que falasse com o ´fantasma´, dizendo-lhe como se sentia, pelo que tinha passado e o quanto tinha sentido a sua falta.
Conseguiu fazê-lo, apesar de ser difícil. Referiu que queria estar com ele, do outro lado.
Perguntei a Leanne como ele respondia a isso, e ela disse-me que ele não o desejava. Isto foi importante para ela assimilar; mesmo assim ainda havia nela um anelo residual pela morte e por querer estar perto dele.
Apoiei-a então a dialogar mais com ele, contado-lhe realmente como se sentia, e escutando verdadeiramente a resposta.
Tive que a apoiar, inicialmente através do seu medo, e depois da sua mágoa. Indiquei-lhe que dirigisse a sua respiração para o seu estômago, e fosse descendo em direcção às pernas.
Em Gestalt trabalhamos com enraizamento e com respiração, para ajudar a pessoa a permanecer presente com a sua experiência e a intensidade da emoção. O que acontece frequentemente é que não havia apoio na altura para o conseguir  fazer, em particular quando se é novo. Assim, estas técnicas ajudam a pessoa a contactar com a experiência que havia sido avassaladora anteriormente, de uma forma que agora possa ser assimilida.
Foi muito difícil para ela manter-se presente - tinha passado os últimos 30 anos a viver com medo, a respirar superficialmente... o que por sua vez reforçava o medo. Foi pois difícil para ela respirar tão profundamente, e precisou de muito apoio e instruções da minha parte.
Após algum tempo ficou muito calma, pôde despedir-se do fantasma e regressou inteiramente a si própria. Sentiu-se presente no seu corpo mais do que alguma vez se lembrava, e todos os vestígios do medo haviam desaparecido.

© Lifeworks 2012

Contact: admin@learngestalt.com

Cui i se adresează acest blog?

Aceste cazuri exemplificate sunt pentru terapeuți, studenți și pentru cei care lucrează cu profesioniști. Scopul este să arătăm cum funcționează terapia gestaltistă în practică, să legăm aspecte teoretice cu provocările clinice.

Pentru că se adresează în primul rând profesioniștilor, acest blog e valabil prin subscriere. Te rugăm să introduci adresa ta de email ca să primești gratuit actualizările zilnice ale blogului de fiecare dată când o intrare e adăugată.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

© Lifeworks 2012

Contact: admin@learngestalt.com

Ideomas:

HOME

Informed Consent & Rates

PROFESSIONAL TRAINING

Gestalt Therapy Defined

PROFESSIONAL SERVICES

PAYMENTS

OTHER STUFF

Links

Book:Advice for Men about Women

BLOGS

• English

Bahasa

Čeština

Deutsch

Español

Français

Greek ελληνικά

Hindi हिंदी

Magyar

Melayu

Italiano

Korean한국의

Polski

Português

Română

Russian Русский

Serbian српски

Chinese 中文

Japanese 日本語

Arabic العربية

English Bahasa Čeština Deutsch Español Filipino Français ελληνικά हिंदी Magyar Melayu Italiano 한국의 Polski Português Română Русский српски 中文 日本語 العربية

If you are interested in following my travels/adventures in the course of my teaching work around the world, feel free to follow my Facebook Page!

Gestalt therapy sessions

For personal therapy with me: www.qualityonlinetherapy.com

vinaysmile

Am publica acest blog două ori pe săptămână

logosm1

Links

Career Decision Coaching

Here

and here

Lifeworks

Gestalt training and much more

http://www.depth.net.au

For Men

Here is a dedicated site for my book Understanding the Woman in Your Life

http://www.manlovesawoman.com

The Unvirtues

A site dedicated to this novel approach to the dynamics of self interest in relationship

http://www.unvirtues.com

Learn Gestalt

A site with Gestalt training professional development videos, available for CE points

http://www.learngestalt.com

We help people live more authentically

Want more? See the Archives column here

Gestalt therapy demonstration sessions

Touching pain and anger: https://youtu.be/3r-lsBhfzqY (40m)

Permission to feel: https://youtu.be/2rSNpLBAqj0 (54m)

Marriage after 50: https://youtu.be/JRb1mhmtIVQ (1h 17m)

Serafina - Angel wings: https://youtu.be/iY_FeviFRGQ (45m)

Barb Wire Tattoo: https://youtu.be/WlA9Xfgv6NM (37m)

A natural empath; vibrating with joy: https://youtu.be/tZCHRUrjJ7Y (39m)

Dealing with a metal spider: https://youtu.be/3Z9905IhYBA (51m)

Interactive group: https://youtu.be/G0DVb81X2tY (1h 57m)